Please use this identifier to cite or link to this item: https://rigeo.cprm.gov.br/handle/doc/235
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorMARQUES, Eduardo Duarte
dc.date.accessioned2013-12-10T19:01:57Z
dc.date.available2013-12-10T19:01:57Z
dc.date.issued2006
dc.identifier.citationMARQUES, Eduardo Duarte. Hidrogeoquímica nas cavas de extração de areia na região do Bairro Piranema, distrito areeiro de Seropédica, Itaguaí, RJ. , 2006. Dissertação (Mestrado em Geociências)-Instituto de Geociências, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.
dc.identifier.urihttps://rigeo.cprm.gov.br/handle/doc/235
dc.description^aDissertação^bMestrado em Geociências
dc.description.abstractO Distrito Areeiro de Seropédica-Itaguaí,considerado um dos maiores do Brasil, com mais de oitenta empresas de mineração, abastece aproximadamente 90% da areia para a construção civil da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O processo de extração de areia se dá através da retirada das camadas sedimentares superficiais da região,|caracterizadas por depósitos de areia, de composição quartzo-feldspática, fazendo com que a superfície freática do Aqüífero Piranema aflore, preenchendo as cavas resultantes. Contudo, esta atividade suscita em mudanças físicas e químicas nestas águas. Quatro areais foram monitorados no período entre janeiro de 2004 e novembro de 2005 com o objetivo de caracterizar os processos hidrogeoquímicos ocorrentes nas cavas, podendo fornecer informações para uma possível transformação das cavas em|“lagoas” para piscicultura ao término da atividade mineradora. Os resultados mostraram que os baixos valores de pH (3,11 – 5,2) e altas concentrações de sulfato (3 – 97,64 mg.L-1) encontrados nestas águas têm origem em reações de oxidação do material|sedimentar reduzido, contendo pirita e gás sulfídrico, através da extração da areia. Valores anômalos de alumínio (> 10 mg.L-1) nas águas se devem ao baixo pH, o qual aumenta a solubilidade dos minerais silicáticos aluminosos (feldspatos e micas). Porém, os teores de alumínio nestas águas se mostram controlados pela precipitação pluviométrica, ou seja, quanto menor a precipitação em um determinado período, maior é o teor de alumínio e quanto maior a precipitação, menor o teor de alumínio. Além disso, a sílica presente nas cavas, que se apresenta na forma coloidal, pode contribuir|para a redução do alumínio dissolvido através da reação entre ambos, resultando em um aluminossilicato, denominado imogolita. O ferro e manganês se apresentam, respectivamente, na forma precipitada (hidróxidos, Fe3+) e dissolvida (Mn2+). O cloreto possui concentrações constantes nas águas em estudo devido ao seu caráter conservativo e é originado por deposição atmosférica (aerossóis marinhos). O intemperismo nas cavas foi caracterizado a partir das concentrações de cálcio,|magnésio, potássio, sódio e sílica. O grau de intemperismo se mostrou incipiente, onde diagramas de estabilidade mineral indicaram equilíbrio das águas com minerais primários e montmorilonitas, conseqüentemente, apresentando a bissialitização como o tipo predominante de intemperismo. A transformação das cavas de extração de areia|em locais propícios à cultura de peixes deverá levar em conta a geoquímica do alumínio nestas águas, devido sua toxicidade para tais indivíduos
dc.language1
dc.subjectGEOQUÍMICA
dc.subjectHIDROGEOQUÍMICA
dc.subjectHIDROGEOLOGIA
dc.subjectINTEMPERISMO
dc.subjectBRASIL
dc.subjectRIO DE JANEIRO
dc.titleHidrogeoquímica nas cavas de extração de areia na região do Bairro Piranema, distrito areeiro de Seropédica, Itaguaí, RJ
Appears in Collections:Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
diss_eduardo_marques.pdfproducao cientifica2,45 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.